Comunicados

Caros associados,
No dia 17 de setembro, foi votada na Assembleia da República a proposta de resolução de prorrogação dos apoios extraordinários para trabalhadores independentes, apresentada pelo BE.

A ADTI acompanhou a votação e, apesar de ser, de facto, uma associação apartidária, não pode deixar de destacar a posição dos grupos parlamentares do PS, que votou contra, e do PSD e IL, que se abstiveram.
Consideramos lamentável que estes dois partidos não tenham sido capazes de se elevar para além dos seus interesses políticos e tenham optado pelo conforto covarde da abstenção. Abster-se é não assumir posições. É ficar indiferente. É deixar seguir o barco!
Mas neste barco vão famílias reais que se veem novamente confrontadas com o espectro da carência económica.
Perguntamo-nos onde está a coragem política que tanto falta aos que nos representam na Assembleia? Onde estão aquelas figuras de proa que sabem reconhecer e se batem por causas justas?
Damos aqui a conhecer as propostas que foram chumbadas na Assembleia. Na casa de todos nós.
“1. Retome e prorrogue excecionalmente, até ao final do ano de 2021, a atribuição do apoio extraordinário ao rendimento dos trabalhadores, sem necessidade de verificar condição de recursos, a todos os beneficiários abrangidos pela alínea a) do n.º 2 do artigo n.º 156 do Orçamento de Estado para 2021, assegurando o direito a este apoio extraordinário correspondente ao valor da prestação cessada, até ao limite de €501,16.
2. Prorrogue excecionalmente, até ao final de 2021, a concessão do subsídio social de desemprego e do subsídio de desemprego dos beneficiários cujas prestações cessem.
3. Retome os apoios extraordinários aos trabalhadores independentes e informais, designadamente o “Apoio Extraordinário à redução da atividade económica de trabalhador independente” (AERA), que não tem a condição de recursos do AERT, garantindo apoio a todas as pessoas que tiveram forte redução ou ficaram sem rendimentos em consequência da crise sanitária.”
Foram estas as propostas chumbadas. Propostas que poderiam fazer a diferença no dia-a-dia de tantas famílias caso tivessem sido aprovadas!
Numa altura em que tanto se fala do Plano de Recuperação e Resiliência, será isto um sinal de que o Governo não pensa sequer em integrar os TI e ENI nas medidas de recuperação preconizadas?

Continuamos na luta!